Escola Dominical


Filipenses 3:20 “Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo”.

VERDADE PRÁTICA
A plena glorificação dos salvos se dará na segunda vinda gloriosa de Cristo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — 1Co 15.42-44: A transformação do corpo natural em corpo glorificado
Terça — Rm 8.22,23: A esperança na plena glorificação do nosso corpo
Quarta — 2Co 5.4: O que é mortal será absorvido pela vida
Quinta — Jd vv.24,25: Conservados para se apresentar diante de Deus
Sexta — 1Pe 5.10,11: Convidados a participar da eterna glória de Deus
Sábado — Cl 3.4: A manifestação em glória de Cristo, juntamente com a sua Noiva

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Coríntios 15:13-23
13 — E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou.
14 — E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.
15 — E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam.
16 — Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou.
17 — E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
18 — E também os que dormiram em Cristo estão perdidos.
19 — Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.
20 — Mas, agora, Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem.
21 — Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.
22 — Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
23 — Mas cada um por sua ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda.

INTRODUÇÃO
A glorificação dos salvos é o evento futuro e final da obra salvadora de Cristo. Será um momento de extraordinária grandeza e felicidade, que se dará na segunda vinda de Cristo. Nesse evento, os salvos experimentarão a glorificação completa da natureza humana, pois seremos todos revestidos da glória de Deus.

I. A GLORIOSA ESPERANÇA DA RESSURREIÇÃO DOS SANTOS

  1. A ressurreição dos santos.
    Há uma esperança celestial para os salvos em Cristo quando da gloriosa ressurreição dos mortos, onde estaremos para sempre com o Senhor (1Ts 4.14; Is 26.19). Essa é uma esperança do crente que tem como seu fundamento a ressurreição de Cristo, pois do mesmo modo que Ele ressuscitou, nós ressuscitaremos: “que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (Fp 3.21). Hoje, o nosso corpo está sujeito às enfermidades e demais fragilidades, mas na ressurreição ele será revestido de incorruptibilidade; nunca mais morreremos, pois a ressurreição dos santos será a vitória final sobre a morte e o inferno (1Co 15.54,55).

  2. O destino eterno dos salvos.
    Os que foram alcançados pela obra salvífica de Jesus Cristo entrarão no Reino Celestial, onde haverá um eterno tempo de alegria, felicidade e bem-estar diante do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Sua presença encherá a Terra com sua glória e majestade, conforme a visão do apóstolo João: “E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada” (Ap 21.23).

II. A PLENA SALVAÇÃO NOS CÉUS

  1. Ausência de pecados e dores.
    A salvação plena foi garantida pela obra de Cristo na cruz e confirmada pelo Espírito Santo que nos foi dado (2Co 5.5), tornando Ele assim, o selo dessa herança eterna que está nos céus (Ef 1.13-14). No lugar celestial não experimentaremos mais a dor dos pecados cometidos, bem como os males e dores que outros podem nos provocar. As enfermidades, moléstias, catástrofes, decepções ou qualquer tristeza humana desaparecerão para sempre (Ap 21.4). No céu experimentaremos a eterna alegria, paz, fé, esperança e amor (Ap 22.1-5; 1Co 13.13).

  2. A plenitude nos céus.
    Nesta vida vivemos a tensão entre as possibilidades precárias da Terra e a alegre esperança da vida eterna nos Céus, onde estaremos para sempre com Deus (Mt 25.34). Ora, a tribulação e as dificuldades deste tempo não podem se comparar com o melhor da glória reservado para nós (Rm 8.18). A vida plena nos céus é um direito adquirido quando fomos adotados pelo Pai como filhos. Logo, a herança divina não se limita a bênçãos materiais ou espirituais do tempo presente, mas, sobretudo, a bênçãos eternas do porvir, onde viveremos numa dimensão celestial gloriosa (Rm 8.23,30).

CONCLUSÃO
A salvação em Cristo é um evento passado, presente e futuro. É uma obra completa, perfeita e universal. Por isso, o autor bíblico a denomina de “tão grande salvação” (Hb 2.3). Alguns aspectos dessa gloriosa doutrina são imensuráveis e inexplicáveis, por melhor que se tente explicar (1Co 13.12). São aspectos que transcendem a compreensão humana e que serão revelados em sua totalidade somente no Reino vindouro. Glória a Deus!

PARA REFLETIR
A respeito de glorificados em Cristo, responda:
Qual a esperança celestial dos salvos em Cristo?
Quem entrará no Reino Celestial?
O que garante a nossa salvação?
O que experimentaremos no Céu?
Segundo a lição, o que não haverá no Céu?

comments powered by Disqus