Escola Dominical
TEXTO DO DIA

Provérbios 21:31 “O cavalo prepara-se para o dia da batalha, mas do SENHOR vem a vitória”.

SÍNTESE

Deus conduz o seu povo e concede-lhe vitória, mas a glória por toda e qualquer conquista deve ser atribuída exclusivamente a Ele, o Senhor dos Exércitos.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA — Lc 14.28: Jesus ensina a respeito do planejamento

TERÇA — Êx 23.20: Deus planejou guardar o seu povo

QUARTA — Lc 12.20: O rico insensato; não planejou para o amanhã

QUINTA — Pv 6.6: O preguiçoso não planeja

SEXTA — Is 40.3: João Batista veio preparar o caminho do Senhor

SÁBADO — Gl 4.4-5: Deus preparou o tempo certo para seu Filho vir ao mundo

TEXTO BÍBLICO

Josué 2.1,9,11,23,24.

1 — E enviou Josué, filho de Num, dois homens desde Sitim a espiar secretamente, dizendo: Andai e observai a terra e a Jericó. Foram, pois, e entraram na casa de uma mulher prostituta, cujo nome era Raabe, e dormiram ali.

9 — e disse aos homens: Bem sei que o SENHOR vos deu esta terra, e que o pavor de vós caiu sobre nós, e que todos os moradores da terra estão desmaiados diante de vós.

11 — Ouvindo isso, desmaiou o nosso coração, e em ninguém mais há ânimo algum, por causa da vossa presença; porque o SENHOR, vosso Deus, é Deus em cima nos céus e embaixo na terra.

23 — Assim, aqueles dois homens voltaram, e desceram do monte, e passaram, e vieram a Josué, filho de Num, e contaram-lhe tudo quanto lhes acontecera;

24 — e disseram a Josué: Certamente o SENHOR tem dado toda esta terra nas nossas mãos, pois até todos os moradores estão desmaiados diante de nós.

INTRODUÇÃO

Depois de ouvirem as últimas instruções de Moisés, podemos perceber, mediante a leitura do texto bíblico, que os hebreus estavam agora melhor organizados, conscientes de sua missão histórica e mais disciplinados. Com a chegada deles às fronteiras da Terra Prometida, o discurso final e a morte do líder Moisés, Josué já estava devidamente confirmado como comandante-chefe em seu lugar. O povo entendeu que estava chegando um novo tempo para suas vidas. A promessa que há séculos pairava sobre a nação, agora tornar-se-ia realidade. Os hebreus sabiam que como no episódio do Mar Vermelho, Deus precisava intervir fortemente para que eles pudessem entrar na Terra Prometida. Então, Josué ordena ao povo, pela fé, que façam os preparativos para atravessar o Jordão e conquistar a herança.

I. JOSUÉ PREPARA O POVO PARA A TRAVESSIA DO JORDÃO (Js 1.10-18)

1. “Provede-vos de comida” (v.11).

O livro de Josué narra à história da saga dos hebreus rumo à Canaã. Foram 40 anos de muitas lutas, milagres divinos, rebeliões, surpresas e decepções para o povo, que agora chega ao seu destino. Grande parte dos milagres, como a travessia do deserto, cessou, como foi o caso do maná. Josué reuniu os príncipes do povo e deu-lhes uma ordem com a qual os hebreus não estavam acostumados: “Passai pelo meio do arraial e ordenai ao povo dizendo: Provede-vos de comida […]” (v.11). Eles precisavam de suprimentos e só tinham três dias para providenciar tudo. Acredita-se que a ordem visava à preparação de receitas com as derradeiras porções de maná, bem como a provisão de alimentos da Transjordânia (onde estavam acampados). Josué precisava de auxiliares, pois sabia que como Moisés, também não poderia resolver tudo sozinho. Os príncipes das tribos foram excelentes ajudantes, o que nos mostra que quando Deus quer fazer algo significativo no meio do seu povo, Ele separa e prepara cooperadores.

2. Convoque as tribos.

Os guerreiros da tribo de Rúben, Gade e a metade da tribo de Manassés deveriam ser convocados para atravessarem o Jordão e lutarem também pela herança de Deus, mas uma parte ficaria para proteger as mulheres, crianças, bem como o patrimônio que estava na Transjordânia. Estes homens deixaram tudo e partiram para a guerra, a fim de conquistar aquilo que o Senhor havia prometido.

3. Seja fiel ao comandante.

O povo estava abastecido de víveres, todas as tribos estavam reunidas, o líder tinha a bênção de Deus, mas ainda faltava algo: Uma demonstração sincera de fidelidade e submissão do povo ao novo chefe. De nada adianta ter uma bela estratégia e um formidável exército, se as pessoas não estão dispostas a obedecer ao guia. Este é um dos segredos da arte de guerra. Deus já tinha anunciado sua fidelidade a Josué (Js 1.5), e agora o povo anunciou seu compromisso em obedecer ao novo líder (Js 1.16-18). Os hebreus estavam confiando o destino de suas vidas a Josué, por isso eles pedem duas coisas: 1) Que Josué agradasse a Deus (v.17). 2) Que Josué se esforçasse, ou seja, desse o melhor de si (v.18).

II. OS ESPIAS (Js 2.1-24)

1. Enviados para o reconhecimento da cidade.

No final do período da Idade do Bronze, quando foi escrito o livro de Josué, toda a grande cidade de Canaã era, na verdade, uma cidade-estado, que tinha o seu próprio exército, carros e instrumentos de guerra, bem como um rei, como era o caso de Jericó. Israel estava acampado em Sitim e, possivelmente após o luto pela morte de Moisés, Josué enviou dois homens de confiança para conhecerem o local em que a batalha seria travada. Essa conduta de Josué, em conhecer as condições que seriam enfrentadas por suas tropas, demonstra sua responsabilidade pessoal e atesta sua profunda dependência de Deus e fé, pois, qualquer que fosse o relatório dos espias, ele já havia anunciado que a guerra seria travada. Essas qualidades, dentre outras, fizeram de Josué um líder de excelência.

2. Os espias são descobertos.

Após atravessarem o Jordão, os dois espias partiram para Jericó, que ficava a aproximadamente 6,5 km. A princípio, a missão não foi descoberta, mas ao cair da noite, foi comunicado o caso ao rei de Jericó, que imediatamente mandou seus soldados à propriedade de uma prostituta chamada Raabe. Os espias estavam hospedados lá, mas a mulher não revelou a presença deles, salvando suas vidas. É interessante como Deus usa pessoas improváveis, em lugares inusitados, para estabelecer o seu querer. Quantas vezes isso acontece no dia a dia da vida de cada cristão? Pessoas não crentes são levantadas para abençoar e proteger os que são fiéis ao Senhor. Aquela situação em Jericó era imprevisível para os espias, para Josué, mas não para o Senhor. Ele é o nosso socorro na hora da angústia.

3. Um testemunho para os espias.

Ao falar com os espias, Raabe revela ter mais fé do que eles próprios: “Bem sei que o SENHOR vos deu esta terra” (Js 2.9). Ela ainda acrescentou: “O SENHOR, vosso Deus, é Deus em cima nos céus e embaixo na terra” (Js 2.11). Para a bênção ser completa, ela acrescentou uma informação valiosíssima, que serviria de fortalecimento da fé do exército de Josué: “O pavor de vós caiu sobre nós” e em ninguém há mais ânimo algum (Js 2.9).

III. RAABE, UMA HEROÍNA DA FÉ

1. Uma mulher de fé.

A figura de Raabe surgiu de modo inesperado na história dos hebreus, para demonstrar que Deus é soberano. Raabe tinha uma vida promíscua em Jericó, mas o Senhor a resgatou e fez da sua vida um instrumento em suas mãos. Sua ação é tão magnífica que lhe conferiu o status de heroína da fé (Hb 11.31). Depois da queda de Jericó, Raabe casou-se com um homem de Judá e gerou um filho, Boaz, o qual posteriormente casou-se com a moabita Rute, assumindo sua geração a linhagem real, vindo a tornar-se ascendente do Senhor Jesus.

2. Uma mulher de estratégia.

A mentira de Raabe foi um pecado originado da fraqueza de uma pessoa que não conhecia completamente o Senhor e a sua Lei. Pessoas amadurecidas espiritualmente resolvem situações complicadas com sabedoria e discrição, mas sem mentir, como aconteceu com Abraão, quando foi questionado por Isaque acerca do cordeiro para o holocausto (Gn 22.7,8), e por Jesus, quando seus irmãos lhe perguntaram se não iria à festa em Jerusalém (Jo 7.2-10). Deus abençoou a Raabe, não por sua mentira, mas por sua coragem e fé. A longanimidade de Deus, em relação a suportar os nossos muitos pecados é surpreendente. O Senhor não nos destrói por nossos erros, mas nos corrige com sua Palavra, abençoa-nos e diz: “Vai e não peques mais” (Jo 8.11). Suas misericórdias renovam-se a cada manhã e são a causa de não sermos consumidos por sua justiça (Lm 3.22,23).

3. A mulher do fio de escarlate.

A história de Raabe prefigurava um projeto divino, que se revelaria séculos depois, com seu descendente mais nobre, o Senhor Jesus. O fio de escarlate, que pendia sobre a janela de sua casa, no dia da invasão, em que a forte muralha caiu, apontava para a gloriosa salvação disponível a todos os homens que se arrependessem dos seus pecados (Jo 3.16). Assim como na saída do Egito foi o sangue do cordeiro nos umbrais das portas que salvou os primogênitos da destruição do anjo da morte, quarenta anos depois, Deus, olhando mais uma vez para a cena do Calvário, inspirou os jovens espias a usarem como símbolo da redenção da família de Raabe um fio vermelho. O Senhor estava, a cada episódio da saga do povo hebreu, apontando para o momento em que seu Filho desceria do Céu e por amor à humanidade, nasceria de uma virgem e, morreria numa cruz, trazendo salvação.

CONCLUSÃO

O livro de Josué conta a história de milhões de hebreus que estavam cheios de fé e unidos ao líder, esperando um milagre para atravessarem o Jordão rumo à Canaã! O povo, atendendo à ordem de Josué, preparou-se para a conquista e Deus fez milagres: levantou até inimigos para os ajudarem, como foi o caso de Raabe, a meretriz, a qual, pela fé, “não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias” (Hb 11.31).

HORA DA REVISÃO

1. Segundo a lição, Deus sempre determina que haja preparação antes das conquistas, mas mesmo assim ainda acontecem imprevistos. Por quê?

2. Quantos espias foram enviados para a cidade de Jericó?

3. Onde os espias, enviados por Josué, se hospedaram?

4. O que fez Raabe em favor dos espias?

5. Para quem apontava o fio escarlate?

comments powered by Disqus